Os termos do mundo dos negócios não são simples e, como costumam ser usados em inglês, podem causar mais confusão ainda. Mas não fique perdido: criamos um glossário com os principais termos financeiros para startups.

Leia este texto até o fim e fique por dentro dos termos mais importantes para os seus negócios e, de quebra, volte nele sempre que precisar consultar alguma coisa!

Valuation

É o processo pelo qual se determina o valor de uma empresa ou ativo. Usualmente, esse processo é usado para embasar uma decisão de compra de ativos ou fusão entre empresas.

Para avaliar uma empresa, um especialista analisa a gestão da mesma, a composição de sua estrutura de capital, as receitas atuais e a perspectiva de rentabilidade futura, além do valor de mercado dos ativos.

Funding

Funding — ou financiamento de capital — é o dinheiro que os credores e detentores de capital fornecem para uma empresa em troca de títulos de dívida (obrigações) ou ativos (ações). A empresa usa esse dinheiro para o capital operacional. Os detentores de obrigações e ações esperam ganhar um retorno sobre o seu investimento sob a forma de juros, dividendos e o aumento do valor das ações.

Bridge

É uma opção de financiamento rápido utilizado por empresas e outras entidades, para solidificar sua posição de curto prazo até que uma opção de financiamento de longo prazo possa ser levantada. O bridge normalmente é feito por bancos de investimento ou investidores de capital de risco sob a forma de um empréstimo ou de investimento no capital da empresa.

Esse é um dos tipos de financiamento mais comuns quando uma empresa tem obrigações financeiras que consumirão seus recursos em caixa e receitas do período, antes de receber financiamentos de longo prazo já previstos. Portanto, a empresa precisa de dinheiro rápido para honrar suas obrigações e, com isso, permanecer solvente a fim de obter os tais financiamentos de longo prazo previstos.

EBITDA

EBITDA é uma medida de lucros cuja sigla significa Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (do inglês Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization). Embora não exista uma exigência legal, para que as empresas divulguem o seu EBITDA, ele pode ser trabalhado e relatado usando as informações encontradas nas demonstrações financeiras.

Ao eliminar a influência de juros, impostos, depreciação e amortização em seu cálculo, o EBITDA se torna uma ferramenta muito útil para uma empresa estimar o quanto os ativos produzem, efetivamente. Esse indicador tende a se manter constante com o tempo, sendo excelente para suportar estimativas futuras. Além disso, por ser um indicador independente de fatores inerentes a cada país, também é muito útil para planos de internacionalização de empresas.

Vesting

No contexto das empresas, o vesting é o nome dado a um instrumento contratual. Ele determina que, ao oferecer a opção de compra de ações da empresa, ela não pode ser concretizada imediatamente, mas se tornará disponível ao final de um período pré-acordado. O vesting é uma mistura de garantia na participação dos negócios com um contrato de investimento.

Stock options

É um contrato entre duas partes, em que um determinado comprador adquire o direito (mas não a obrigação) de comprar de ou vender para um determinado vendedor, a um preço predeterminado em um determinado período de tempo.

Uma prática comum em alguns mercados é a empresa oferecer stock options aos seus funcionários como parte da política de premiação ou benefícios.

Burn

É um cálculo, normalmente usado para descrever a taxa na qual uma nova empresa gasta seu capital de risco para financiar despesas gerais, antes de gerar fluxo de caixa positivo de operações. É uma medida para reverter um fluxo de caixa negativo. Burn é geralmente referenciado em termos de dinheiro gasto por mês. Por exemplo, uma taxa de burn de 1 milhão de reais significa que uma empresa gasta 1 milhão de reais por mês.

IPO

Uma oferta pública inicial (do inglês Initial Public Offering) é a primeira venda de ações realizada por uma empresa privada ao público. IPOs são, muitas vezes, emitidos por empresas menores, mais jovens e que procuram o capital para expandir. Mas também pode ser feito por grandes empresas privadas que procuram tornar-se de capital aberto.

Due Diligence

É uma investigação ou auditoria de informações em uma empresa, que é alvo de um potencial investimento, para confirmar todos os fatos relevantes em relação a uma venda, como a revisão de todos os registros financeiros somados a quaisquer outras coisas consideradas relevantes para essa venda.

ROI: um dos mais importantes termos financeiros para startups

Sigla que significa Retorno Sobre o Investimento (do inglês Return On Investment). É um tipo de métrica que relacionada ao rendimento obtido em decorrência de um determinado valor investido. A compreensão desse termo financeiro é indispensável para startups que buscam investimentos.

O ROI é geralmente expresso como uma porcentagem e é usado para comparar a rentabilidade de uma empresa ou a eficiência de diferentes investimentos. A fórmula do ROI é:

  • ROI = (Receita Total – Custo do Investimento) / Custo do Investimento x 100

Term sheet

Documento que descreve os termos pelos quais um investidor (anjo ou de capital de risco) vai realizar um investimento financeiro em sua empresa. Esses documentos costumam se dividir em três seções: financiamento, de governança corporativa e de liquidação.

Venture Capital

É o nome usado para descrever todas as classes de investidores de risco. Mesmo assim, em geral, os fundos de venture capital investem em empresas de médio porte, que já tem um faturamento expressivo, mas que ainda precisam dar um salto de crescimento. Com o investimento, o objetivo é ajudar essas empresas a expandir e alcançar o seu potencial máximo.

Com esse glossário, seu o repertório de termos financeiros para startups, com certeza, irá aumentar. Agora que os termos mais importantes já estão na ponta da língua, dê uma olhada também no nosso post Como fazer a captação de recursos para uma startup?

Comentários