Desde que apareceu, a cultura startup não carrega consigo uma boa reputação. Muita gente pensa que essa cultura pode ser traduzida como “pouco trabalho, muita diversão”. Além disso, a crença popular nos faz crer que apenas jovens comandam as startups.

Porém, a realidade pode ser diferente. Enquanto algumas empresas modelaram sua estética de acordo com os espaços idealizados do Vale do Silício, como o Google e o Facebook, a real cultura startup abrange mais do que um escritório moderno e uma rotina divertida. Ao invés de 24 horas de diversão, a norma aceita dentro dessas empresas, na verdade, é “trabalhe duro e depois se divirta”.

Para te mostrar isso, o Business News Daily fez uma pesquisa com pessoas que vivem a cultura startup todos os dias com o objetivo de mostrar como é esse dia-a-dia e como as empresas, de qualquer porte, podem usá-la e mantê-la em seu cotidiano.

O que é a cultura startup?

Como mencionado anteriormente, a típica startup possui uma estética específica. Mas de onde vem esse “look”? A empresa de móveis para escritórios Turnstone pesquisou muitas empresas em crescimento para descobrir exatamente como é a cultura startup.

O gerente da Turnstone, Brian Shapland, a descreveu como uma vibe “inovadora e energética”. Chegada a essa conclusão, Shapland descreveu quatro temas que conectam o “ethos” de uma companhia com o seu ambiente:

Paixão

Tudo começa com o fundador: a ideia, o modelo de negócio e a cultura da empresa. Independente se ela é focada nas pessoas, no planeta, ou no lucro (ou em todos os três), nesse caso, os empreendedores tem um senso único de paixão, de acordo com Shapland. Eles vivem o seu negócio e essa paixão geralmente reflete no ambiente de trabalho.

Personalidade

Shapland notou que muitos líderes empreendedores querem que sua personalidade seja expressada no espaço de trabalho. Ao invés de ter um local com um visual tradicional corporativo, esses empreendedores querem que ele seja vivo e, por isso, procuram por móveis que expressem essa personalidade.

“Nós vemos evidências disso quando uma empresa criativa apresenta uma linha do tempo com os seus milestones no escritório, ou até mesmo fotografias de funcionários com os seus apelidos e hobbies expostos nas áreas comuns do ambiente de trabalho”, afirma Shapland. “Essas empresas incluem esses elementos no escritório com o objetivo de conectar os membros da equipe, construindo confiança e criando uma comunidade.

Agilidade

Empreendedores trabalham com um certo senso de agilidade. Eles não ficam parados só porque a empresa deles está estagnada. E, para Shapland, esses empreendedores precisam do espaço de trabalho para facilitar essas rápidas transições entre diferentes atividades. Esse ambiente deve ser adaptado para uma rotina de rapidez e discussão.

Autenticidade

Empreendedores querem criar uma cultura de autenticidade. Eles querem que os funcionários queiram ir ao trabalho e querem que eles fiquem engajados enquanto estão lá.

Shapland explica que as startups geralmente tentam criar espaços que pareçam lares e que façam com que os funcionários sintam que podem ser eles mesmo.

“Os trabalhadores de startups geralmente procuram uma pegada humana no espaço em que convivem, ao invés de uma configuração mais fria. Eles não querem desligar as personalidades assim que passam pela porta do trabalho e os empreendedores criam condições para celebrar essa autenticidade”.

Além da aparência física e da organização do escritório, os líderes empresariais também descrevem a cultura startup com os seguintes atributos:

Mentalidade de que “tudo é possível”

“A cultura startup abrange trabalho duro e longas jornadas mas, ao mesmo tempo, também significa criar as próprias regras”, afirma Annie Scranton, fundadora e presidente da Pace Public Relations. “Como uma startup, a empresa está sempre disposta a colaborar com novas pessoas; encontrar maneiras de trabalhar de forma mais inteligente e não mais em quantidade; e também jogar as regras corporativas pela janela”.

A habilidade de reagir e se transformar rapidamente

“A cultura startup é muito ágil” afirma Jon Schulz, chefe de marketing da Viant. e“Existe uma colaboração entra a empresa e a abordagem orientada com base no trabalho em equipe. Grandes empresas formam panelinhas e geralmente perdem muito tempo tentando ganhar de uma equipe do que trabalhando em conjunto”.

Funcionários e líderes que dominam suas contribuições

“Cultura é criar um ambiente no qual os membros da equipe dominam o processo, de maneira em que eles trabalhem dedicados à equipe”, explica Dane Atkinson, CEO da SumAll.

“Você tem que trabalhar com várias facetas, com menos tempo e recursos, mas você também fica mais conectado com o que está construindo”, adiciona Matt Barba, CEO e cofundador da empresa de tecnologia Placester. “Eu acredito que a chave para manter a cultura startup é instigar o senso de propriedade nas pessoas, fazer elas terem certeza de que suas contribuições realmente fazem a diferença”.

Como manter a mentalidade de startup

Todas as pessoas que foram entrevistadas para esse material concordam que, não importa o estágio em que está a sua empresa, se basear na cultura startup vai te ajudar a mantê-la jovem, inovadora e a sair na frente de seus concorrentes

Aqui estão algumas dicas de como manter esse tipo de ambiente de trabalho enquanto a sua empresa ganha espaço:

Celebrar o intraempreendedorismo

“Intraempreendedorismo” pode ser descrito como trazer a atitude empreendedora da sua equipe dentro de uma empresa maior. Shapland diz que esses indivíduos inovadores podem ajudar essas empresas a manter a cultura startup porque elas sentem essa pressão de competir por resultados e talento.

Escolha seus líderes com cuidado

Quando a sua empresa cresce o bastante para poder contratar líderes de fora, é importante tomar cuidado com pessoas que tentarão impor alguma ideia na equipe já existente.

Segundo Shulz, é importante “certificar que as novas lideranças sejam filtradas de maneira em que elas se encaixem ao talento e à habilidade já existente”.
“Continue a fazer as mesmas coisas que você fazia como uma empresa pequena, como happy hours e partidas de futebol. Tudo bem crescer como empresa, mas você e sua equipe ainda podem se divertir mantendo os valores do início”.

Sempre escute novas ideias

O pior inimigo da cultura startup é ficar preso nos seus moldes. Recusar fazer mudanças, ou ser flexível só porque o status quo está funcionando pode acabar com a sua empresa.

“Esteja aberto para conselhos de qualquer pessoa, especialmente de recém-contratados – eles chegam com uma visão revigorada e podem ter ótimas sugestões sobre como melhorar os processos da empresa”, afirma Scranton.

A cultura startup está sendo vigiada sempre por críticos que não estão dispostos a quebrar a estrutura tradicional de negócios. Apesar desse lado negativo, os fundadores de startups precisam fazer o que for o melhor para o seu negócio.

“Quando você faz parte de uma equipe de cinco pessoas que fazem o trabalho de 10, você precisa ser capaz de colaborar e colaborar bem”, Barba afirma. “Conforme você cresce – ao construir departamentos, ao se especializar – criar esse senso de comunidade fica mais difícil. Não importa qual recurso você vai utilizar, seja uma mesa de ping-pong, vídeo games, ou um barril de cerveja, todas essas coisas ajudam as equipes e ficarem mais unidas dentro de um trabalho que elas amam.

Comentários