Muitos empreendedores acreditam que para fazer a sua startup crescer basta investir em estratégias de marketing. Mas, mesmo que essas estratégias sejam fortes, sozinhas elas não podem fazer milagres. Também é necessário contar com o apoio de outros setores na tomada de decisões. E é aí que o growth hacking pode ajudar.

Ficou com curiosidade sobre o assunto? Confira 9 dicas para integrar essa estratégia ao seu negócio!

O que é Growth Hacking?

Antes de entender como o growth hacking pode ajudar sua startup a escalar, é preciso entender o que essa estratégia significa.

O termo é originário da palavra hacker, usada erroneamente para definir um criminoso virtual, mas que, na verdade, refere-se a uma pessoa que se dedica a contornar barreiras, que foge dos limites e das especificações e descobre novas utilidades em programas e softwares.

Fazendo um paralelo com o mundo corporativo, os hackers são pessoas que não seguem as regras e estão sempre em busca de meios inovadores para alcançar suas metas. Já o growth hacker tem como principal objetivo elevar o número de usuários e clientes de uma empresa.

Como essa estratégia pode ajudar sua startup?

Diversas decisões são importantes para afetar o crescimento do número de usuários e do alcance que um produto ou serviço de uma startup terá.

O growth hacking tem como principal vantagem fazer com que essas decisões, aliadas a estratégias de marketing, tenham um alcance estratosférico, sem elevar demais os custos. Confira algumas delas:

1. Invista no seu produto antes de tudo

Uma das principais ações das empresas quando as vendas de um produto não dão certo é investir massivamente em ações de marketing. Mas nem sempre essa é a decisão certa, pois o problema pode estar diretamente no próprio produto.

O Twitter, por exemplo, percebeu que, em 2006, os seus usuários cadastrados excluíam suas contas em pouco tempo. Em vez de aumentar os esforços de marketing, a rede social apostou em uma pesquisa e em testes sobre a experiência do consumidor, o que a fez mudar a interface e os recursos do site.

Outro exemplo é o Pinterest. Poucas pessoas sabem, mas a rede social é considerada uma das mais promissoras pelos especialistas de marketing, perdendo apenas para o Facebook. Esse sucesso se dá principalmente pelo fato de o seu produto ser extremamente atraente, o que faz com que os usuários percam horas por lá.

2. Crie conteúdo

Contar histórias é uma das maneiras mais efetivas de aumentar as conversões e a credibilidade de uma marca.

Criar um conteúdo que conte essas histórias é uma das principais estratégias do growth hacking para aumentar o número de visitas de um site e gerar engajamento entre usuários de um produto ou serviço.

Esse conteúdo pode vir por meio de artigos, posts em blogs, infográficos, e-books, memes, guest posts e vídeos.

3. Viralize esse conteúdo

Criar conteúdo é apenas o primeiro passo para escalar a sua startup. Também é importante fazer com que ele alcance o maior número de pessoas.

Um jeito de fazer isso é dar um toque visual para ampliar ainda mais a visibilidade da sua mensagem, já que a ciência acredita que os humanos processam uma informação visual 60 mil vezes mais rápido do que o texto.

Os vídeos possuem um papel poderoso, pois têm o poder de alcançar milhões de usuários, principalmente, por meio do Youtube e das redes sociais.

O Dropbox, por exemplo, antes de se tornar aberto ao público, conduziu os potenciais usuários a entenderem o seu funcionamento por meio de um vídeo simples, mas engajador.

4. Ofereça uma experiência para o consumidor

Consumidores sempre querem sentir que fazem parte de algo especial, em que outras pessoas do seu grupo social também estão participando. Por essa razão, oferecer experiências que despertem o interesse das pessoas é uma estratégia que funciona bem para o growth hacking.

Integrar os produtos e os valores da sua startup na rotina diária do cliente, apresentar ofertas exclusivas e fazer com que os usuários experimentem o produto ou serviço antes de comprá-lo são maneiras de fidelizá-lo.

O Hotmail é um dos exemplos mais conhecidos dessa estratégia. Em 1996, a empresa distribuiu uma conta gratuita para 20 mil usuários e incentivou essas pessoas a compartilharem um convite para sua assinatura.

A ideia gerou mais de 1 milhão de novos usuários nos meses seguintes. Hoje, a maior representante da tática é a Netflix, que oferece 1 mês de assinatura para que os consumidores testem o seu serviço gratuitamente.

5. Construa uma boa lista de e-mails

O e-mail marketing é uma das estratégias mais utilizadas pelas empresas para manter um relacionamento com um lead após o primeiro contato. Ele ajuda a manter o interesse, apresentar novos produtos ou serviços e converter esse lead em cliente, futuramente.

Para isso, é importante manter uma base de e-mails extensa e investir em estratégias para compartilhar conteúdo e ofertas sem irritar o cliente. Parece simples, mas muitas empresas ainda negligenciam essa informação no momento do cadastro ou durante a assinatura de uma newsletter, por exemplo.

6. Capitalize o sucesso de outras empresas

Encontrar maneiras de trabalhar com outras empresas, startups ou plataformas também é uma maneira de criar parcerias e aumentar a visibilidade da sua marca.

O Airbnb, por exemplo, antes de se tornar um negócio de mais de R$13 bilhões, precisou anunciar seus imóveis e serviços no site de classificados estadunidense, Craiglist.

A manobra atraiu milhares de novos usuários e tornou a plataforma a mais conhecida em aluguel de imóveis por temporada, em diversos países.

7. Crie listas de espera

Listas de espera também podem ajudar futuros consumidores a se manterem envolvidos e interessados no que a sua startup tem a oferecer. Mas essa estratégia não pode vir sozinha.

O Mailbox, por exemplo, criou um vídeo de lançamento e uma interface que mostrava quantas pessoas já estavam na espera, o que despertou o interesse do público — mesmo que o serviço ainda fosse desconhecido.

8. Utilize testes A/B

Os testes A/B são essenciais para conhecer a funcionalidade e experimentar a aceitação de determinadas estratégias da sua empresa. Diferente de pesquisas ou questionários, essas ferramentas oferecem uma resposta em tempo real sobre o que exatamente o usuário busca e se a sua startup está oferecendo isso.

Esses testes consistem na criação de duas ou mais versões de uma campanha de marketing ou de uma landing page — com mudanças no design, texto, imagens, cores e CTA — para avaliar qual tem a maior taxa de conversão e, consequentemente, maior aceitação do público.

9. Invista em ferramentas de SEM (Search Engine Marketing)

Mesmo sendo importante para o growth hacking, o tráfego orgânico não é a única maneira de escalar a sua startup. Uma maneira de potencializar o alcance e o crescimento da sua empresa é investir em Search Engine Marketing.

Esse conjunto de estratégias de busca alia tanto o mercado orgânico como o pago. Por isso, ele inclui ações de SEO (Search Engine Optimization) e anúncios patrocinados.

Ferramentas como o Google AdWords e o Facebook Ads, por exemplo, são excelentes investimentos de SEM. Elas melhoram o posicionamento de conteúdos no ranking de busca do Google e deixam seus anúncios visíveis diretamente para usuários mais dispostos a consumi-los, por um custo pequeno.

E você, já conhecia o growth hacking ou já utilizou alguma dessas dicas no seu negócio? Para fortalecer ainda mais a presença online da sua startup, baixe o nosso e-book “5 estratégias para SAAS”!

Comentários