Diversos aspectos influenciam na escolha do tipo de investimento que a sua empresa irá buscar no mercado. A maturidade da companhia e o potencial de crescimento são quesitos que sempre devem ser levados em consideração, mas é preciso refletir se um investimento é necessário naquele momento. Captar recursos pode contribuir — e muito — para o desenvolvimento e sucesso da sua ideia, porém, cada investidor irá pedir uma contrapartida pelo seu apoio.

É neste momento que um empresário deve refletir se realmente é necessário buscar algum investimento externo e se está preparado para assumir as exigências que serão feitas pelos possíveis investidores. Caso tenha feita essa reflexão e está seguro sobre a importância e a necessidade de captar recursos, então é a hora de conhecer os tipos de investimentos e qual deles se adequa à realidade da empresa.

Cada modelo investimento oferece as suas vantagens, que podem ir além do capital financeiro. Em alguns casos o pacote pode oferecer mentorias, apoio na gestão empresarial, conhecimentos de mercado e networking. Abaixo separamos uma lista com os principais tipos de investimento. Não perca tempo e confira!

Investidor-anjo

Esse tipo de investidor busca dar aporte financeiro a empresas que estão no início de operação. O anjo costuma ter experiência profissional e conhecimento sobre um determinado mercado de atuação, o que o leva a investir nesse setor. Ele também opta por participar da gestão do negócio com o objetivo de acelerar a retomada do seu investimento inicial.

Fundos de seed

Também conhecido como capital semente. Esses fundos buscam viabilizar o desenvolvimento de empresas iniciantes — e até mesmo em estágio conceitual. Nesse modelo os investidores montam fundos privados para fazerem os investimentos em grupos e, assim, reduzirem os seus riscos. As empresas podem receber um aporte financeiro até três vezes maior que o concedido pelo investidor-anjo.

Equity crowdfunding

É um mecanismo para custear empresas em fases iniciais e que se mostra bastante vantajosos para os empresários por reunir características dos fundos seed e do investidor-anjo. Para conseguir esse investimento o empreendedor precisa formalizar o negócio (preferencialmente como microempresa) e apresentar o projeto em uma plataforma virtual (no estilo das vaquinhas online).

Nesse modelo o empresário pode compartilhar informações fundamentais para atrair investidores, como o pitch, vídeos e planos de negócios. Todas as pessoas que investirem recebem títulos que futuramente podem ser convertidos em ações.

Venture capital

Esse modelo de investimento é voltado para empresas de pequeno e médio porte que estão estabelecidas e apresentam um alto grau de crescimento. Com os recursos captados nessa modalidade, os empresários promovem expansões em seus negócios e avançam dentro do mercado.

São dois tipos de venture capital. No early stage o apoio é dado para empresas com no máximo quatro anos de operação e com faturamento máximo de R$ 9 milhões. Enquanto que o later stage destina investimentos para as empresas que estão em plena operação e que necessitam de mais recursos para a sua expansão.

Private equity

Esse tipo de investimento é destinado para empresas com mais tempo de mercado — geralmente para aquelas que operam há mais de cinco anos e faturam muitos e muitos milhões. Nesse estágio o valor de investimento tende a ser muito alto, o que leva o investidor a pedir a sociedade majoritária do negócio como contrapartida. Em alguns casos também pode acontecer à indicação de membros para a diretoria da empresa.

São dois tipos de private equity. No tradicional o investimento é usado para que a empresa estabeleça um novo posicionamento de mercado, seja por alterações financeiras, operacionais ou estratégicas. Já no private equity growth o investimento é destinado para o desenvolvimento ou diversificação do negócio, como nos casos de expansão da planta ou rede de distribuição, do capital de giro ou nos processos comunicacionais da empresa (como marketing e propaganda).

Pretende buscar investidores no mercado? O que levou a escolher um parceiro de negócio? Compartilhe com a gente as suas experiências!

Sabemos que o processo de captação de recursos não acaba quando a empresa recebe o investimento. Depois deste passo importante, é preciso se atentar ao que foi combinado com os investidores e planejar como o recurso será aplicado. Muitos empreendedores ficam em dúvida sobre como agir neste momento. Por isso, a Syhus preparou um ebook “Minha startup recebeu investimento, e agora?” para auxiliar neste processo! Clique e confira!

Cristiano Freitas
Equipe Syhus

Comentários