Garantir a formalidade e evitar problemas com o Fisco foram algumas das vantagens trazidas pelo Microempreendedor Individual (MEI). Realmente, o Simples Nacional veio para facilitar e tornar todo o processo menos burocrático. Para empresas não optantes pelo MEI, os controles empresariais, como o financeiro, passam a ser bem mais rígidos e envolvem questões mais complexas, que em casos de descumprimento, podem resultar em autuações e até mesmo multas.

Embora muitos empreendedores acabem julgando que certas práticas de gestão são apenas para empresas de grande porte, alguns negócios são colocados em risco e comprometem o seu funcionamento, seja com questões de finanças, tributárias ou de legislação. Saiba quais controles empresariais que empresas não optantes pelo MEI devem ter para garantir o funcionamento e continuar crescendo. Confira!

Os controles empresariais para uma empresa que não é um MEI

Gestão de fluxo de Caixa e Conciliação Bancária

Independente de ser uma MEI ou uma PME, a melhor forma de evitar problemas nas finanças é através da conciliação bancária. O funcionamento é simples e consiste basicamente na conferência entre o saldo da conta bancária e as informações contidas nos extratos bancários. Empreendedores que querem manter as contas em dia e equilibradas, devem utilizar a conciliação dos saldos na rotina da empresa.

Apesar de ser uma prática extremamente importante, empreendedores acabam abrindo mão, o que possibilita o descontrole das contas e uma perda da visão real de recursos disponíveis para o desenvolvimento das atividades diárias ou, ainda, para o cumprimento de obrigações, como financiamentos, empréstimos, pagamento de fornecedores, entre outros.

O primeiro passo para uma conciliação bancária efetiva é o monitoramento constante e contínuo dos fluxos de caixa, ou seja, das entradas e saídas de recursos financeiros. Após isso, é preciso confrontar todos os dados internamente, através do controle, que envolve os extratos bancários.

Através destes passos, é possível identificar erros, que podem ser corrigidos imediatamente. No caso de envolver problemas com a instituição financeira, a solicitação de correção deve ser feita levando em consideração os valores cobrados indevidamente.

Gestão Fiscal e Contábil

Para empresas que não são optantes do MEI as preocupações se tornam bem maiores. A gestão Fiscal, Contábil e Jurídica estão entre os itens de maior importância para empresas continuarem funcionando, mas também para que possam crescer continuamente.

Um erro comum entre os empreendedores de pequenas e médias empresas é julgarem que tais serviços são exclusivos apenas para empresas de grande porte, que possuem maiores recursos para contratar uma consultoria, que realize esta gestão. No entanto, esta é uma opinião equivocada e que leva estas PMEs a sérios problemas de funcionamento.

Uma boa gestão Fiscal, Contábil e Jurídica possibilita que a empresa realize um bom planejamento tributário, otimizando os resultados da organização com a economia tributária e diminuindo ou mesmo eliminando os riscos de autuação e multas pelo Fisco, que afetariam diretamente as finanças do negócio.

Gestão de Empregados

Empresas optantes pelo MEI podem ter apenas ‘um’ empregado contratado, que será regido pelas leis trabalhistas e terá direito a um salário-mínimo ou o piso da categoria. Já para as empresas que não optam do MEI, os controles com a gestão de empregados são mais rígidos, já que na maioria das vezes o quadro de colaboradores é maior que apenas um funcionário.

O crescimento sustentável de uma empresa está em grande parte relacionado à forma como os gestores lidam com seus colaboradores. A partir do momento que o business plan é definido pela alta gestão, o departamento de recursos humanos passa a orientar os colabores na busca por resultados melhores.

Ou seja, ele estabelece claramente o que a empresa espera do colaborador. Além disso, o profissional poderá ter uma visão macro de onde a empresa pretende chegar e o que deve ser feito na rotina de trabalho, transformando planos em metas.

A gestão do capital humano requer atenção, independente do porte ou segmento de atuação. Muitas pequenas e médias empresas erram ao tentar adaptar modelos prontos de gestão de pessoas, esperando que funcionem como nas grandes corporações. No entanto, o RH de uma empresa precisa ter sua identidade e nascer com ela, isso garantirá que as estratégias sejam alinhadas com as necessidades de cada fase da evolução.

Quer saber mais sobre como fazer seus controles empresariais de forma mais eficaz? Complemente a sua leitura com o post sobre: Quais os benefícios para empresas que optam pelo Simples Nacional.

Comentários