A alavancagem operacional é um conceito que está intimamente relacionado aos custos fixos e variáveis de uma empresa, e à maneira como esses valores trabalham entre si. Se por um lado os custos fixos englobam a receita líquida, por outro, os custos variáveis acompanham a proporção dessas receitas.

Ter controle sobre esse mecanismo é fundamental para agir de maneira estratégica durante cada fase de crescimento de uma startup. Está buscando uma explicação para os conceitos de alavancagem financeira e operacional e como isso impacta a empresa e a sua gestão? Este artigo foi feito para você. Confira!

Alavancagem operacional

A alavancagem operacional é um importante recurso para avaliar o crescimento de uma empresa tradicional ou startup, cujos custos fixos costumam ser intensos e devem ser avaliados pelo investidor. Negócios que detêm uma quantidade maior de custos fixos em relação aos custos variáveis atingem uma porcentagem maior de lucro operacional. Por exemplo, é possível que um aumento de 20% em vendas se reflita em um lucro operacional de 25%.

Porém, em uma eventual queda nas vendas, essa taxa também cai. Por isso, os custos fixos assumem o papel de uma alavanca: uma pequena força em vendas é capaz de mover o peso do outro lado da alavanca, dependendo do tamanho de todos os componentes.

O grau de alavancagem operacional contribui para os processos de tomadas de decisões, análise gerencial da relação custo, volume e lucro, e procedimentos referentes à formulação de preços, custo, mercado e lucro.

Alavancagem financeira

Uma vez que a alavancagem operacional contribui com uma postura mais estratégica, a alavancagem financeira pode ser definida como uma técnica para solucionar ou impulsionar a realidade financeira de uma empresa.

Não é à toa que essa ferramenta é usada de maneira positiva, mas é um recurso que apresenta riscos. Isso porque o empreendedor precisa ter controle sobre o ROI (Retorno sobre o investimento). Como utiliza investimentos e recursos de terceiros, quando o retorno sobre os investimentos é menor que o planejado e está abaixo da taxa de juros, pode representar um problema para o negócio.

Grau de alavancagem operacional

A alavancagem operacional não se divide apenas em negativa e positiva. Ela apresenta diferenças na sua classificação conforme o valor da receita e os seus custos, dividindo-se em quatro graus. Conheça:

  1. Grau de alavancagem operacional — geralmente, o grau em que a maioria das empresas se encontra, aparecendo quando a porcentagem de crescimento ou redução da receita bruta se reflete em um maior percentual de crescimento ou redução do resultado;
  2. Grau de alavancagem negativa — quando a receita bruta aumenta mas o resultado operacional diminui. Isso pode ocorrer por causa de uma margem negativa de contribuição ou pelo crescimento das despesas fixas no mesmo ritmo que as receitas brutas;
  3. Grau de alavancagem modesta — casos que exigem o aumento da receita bruta em uma porcentagem que contribua para que o prejuízo seja reduzido. Ocorre quando a empresa opera no vermelho e os custos fixos se apresentam duas vezes mais elevados que a margem de contribuição;
  4. Grau de alavancagem em equilíbrio — semelhante ao grau de alavancagem modesta, mas, aqui, os custos fixos são exatamente o dobro da margem de contribuição.

Diferença entre alavancagem financeira e operacional

Tanto a alavancagem financeira quanto a operacional conseguem ampliar as oportunidades de ganhos fixos. Enquanto a operacional amplia as mudanças no lucro antes dos juros e está ligada ao resultado de vendas, a financeira maximiza o lucro por ação, relacionando-se aos custos de financiamento ou capital de terceiros. Quanto maior for o grau de alavancagem operacional, maior será a probabilidade de a startup sofrer problemas relacionados ao fluxo de caixa.

Aplicação desses conceitos de alavancagem na sua startup

Separamos uma situação para que você visualize na prática a alavancagem operacional. Imagine que a sua startup já vendeu centenas de unidades do produto comercializado e conseguiu determinar um lucro médio. A partir de agora, todas as vendas são subtraídas do custo variável e o que sobra é uma margem de lucro relativamente alta.

Nesse contexto, vamos supor que a sua startup trabalha com um determinado software e os seus custos incluem a hospedagem de dados e a mídia na qual esse sistema precisa ser gravado. Assim, o custo de produção por unidade é:

  • R$ 0,10 referente ao CD;
  • R$ 0,05 referente à hospedagem.

Considerando que esse software seja comercializado por R$ 100,00, temos:

R$ 100,00 – R$ 0,10 = R$ 99,90 de contribuição por unidade para o lucro

À primeira vista, o valor pode ser animador. Entretanto, é preciso considerar os custos de desenvolvimento e o tempo que esse produto ficou disponível para o mercado. Também não podem ficar de fora os seguintes custos variáveis:

  • o dinheiro investido na contratação de colaboradores;
  • possíveis parcerias;
  • deslocamento para que as etapas do projeto pudessem ser concluídas;
  • outros custos que não são minimamente mensurados.

Diante disso, podemos entender que os custos variáveis tornam a contribuição para o lucro por unidade de produtos ou serviços comercializados menor que o número expresso por meio do cálculo.

Resumindo, a alavancagem operacional depende não só do número de vendas, como também da margem de lucro. Quando essa margem é alta, mas realizam-se poucas vendas, podemos considerar que a empresa é altamente alavancada. Quando a situação se inverte — isto é, muitas vendas com baixas margens de lucro, podemos dizer que a startup é menos alavancada.

A flutuação da economia pode fazer com que o seu empreendimento passe por dificuldades financeiras e o crescimento da companhia pode dificultar que você encontre novas alavancas para o crescimento. Por isso, agora que você já sabe o conceito de alavancagem operacional e financeira, os riscos que trazem para uma empresa e as variáveis para definir se ela é alavancada ou não, fica mais fácil visualizar em que posição a sua startup se encontra. Diante disso, é possível agir de maneira estratégica buscando os resultados desejados.

Quer saber como realizar incentivos de longo prazo ao mesmo tempo que trabalha na retenção de talentos? Talvez a sua startup precise de um contrato de vesting. Aproveite para ler o material que preparamos sobre esse assunto.

Comentários