Não é novidade que o controle das finanças é fundamental para garantir o sucesso nos negócios. Contudo, há outros indicadores que devem ser avaliados com a mesma atenção, como o índice de endividamento, tema deste artigo.

Adotar ferramentas de gestão de forma estratégica, é útil para direcionar seus esforços comerciais e, dessa forma, obter os melhores resultados. Não por acaso, o índice de endividamento é um indicador usado como termômetro da economia nacional. Quanto mais alto estiver, menos aquecido o mercado, já que as empresas ficam impedidas de investir.

Dito isso, queremos reforçar a importância de controlar o quanto sua empresa, tecnológica ou não, compromete suas receitas com o pagamento de dívidas. Para isso, leia os próximos tópicos atentamente. Uma coisa é certa: você e sua empresa só tem a ganhar quando busca por informação. Vamos em frente?

Qual a definição de índice de endividamento

Não há empresa que se mantenha produtiva sem o capital necessário. Esse capital, por sua vez, pode ser composto por diversas fontes e ser classificado de várias formas. A mais comum e que provavelmente você já ouviu falar é o capital de giro, ou seja, a soma dos recursos financeiros necessários para manter o negócio ativo e custear suas operações.

O índice de endividamento consiste em avaliar a estrutura desse capital. Com essa ferramenta, você é capaz de saber o quanto dos seus recursos são próprios ou de terceiros. É ele que vai apontar quais são as fontes nas quais sua empresa capta recursos, mostrando, assim, em que nível sua empresa tem se endividado.

Dessa forma, você poderá separar com mais clareza o Capital Próprio, ou Patrimônio Líquido como é chamado na contabilidade. Além disso, é preciso destacar que o endividamento tem relação com as decisões tomadas pelos gestores da empresa.

Portanto, tudo que diz respeito a financiamento, divisão de lucros ou investimentos vai afetar em maior ou menor grau a capacidade de uma empresa em honrar seus compromissos.

O que compõe o endividamento

O fator tempo é muito importante para se chegar a conclusões úteis sobre o grau de endividamento de uma empresa. Sendo assim, o índice de endividamento pode ser calculado considerando o curto, médio e longo prazo.

A composição da dívida da empresa, portanto, pode ser relativizada, dependendo da fórmula empregada e do período de tempo em questão. Isso serve para mostrar um panorama realista e até para revelar problemas para futuros investimentos.

Um parcelamento de dívida pode não impactar seu orçamento imediatamente, mas será que se você precisar investir em um projeto de longo prazo, terá fôlego financeiro?

Como é feito seu cálculo

Considerando a questão temporal, você poderá calcular o índice de endividamento da sua empresa conforme os impactos produzidos em seu capital para hoje ou para o futuro. Portanto, podemos destacar três tipos de cálculo, que expressam o quanto suas dívidas poderão ou não comprometer suas finanças.

Índice de Cobertura de Juros

Embora o Índice Geral de Endividamento (IGE) forneça um panorama mais amplo, como veremos mais à frente, vale destacar primeiro o Índice de Cobertura de Juros (ICJ). Ele serve para medir a capacidade da sua empresa em pagar os juros de uma dívida, afinal, em uma análise pragmática, é esse o preço do dinheiro tomado de terceiros.

Para conhecer o ICJ, aplique a fórmula:

ICJ = LAJIR/Despesa anual em juros

LAJIR = Lucros antes dos Juros e do Imposto de Renda

fale com um especialista syhus

Composição do Endividamento

O cálculo para chegar à Composição do Endividamento (CE) serve para mostrar se as dívidas da empresa afetam o curto ou o longo prazo. Assim, é possível antecipar medidas para evitar o comprometimento das finanças de forma mais imediata.

Sua fórmula consiste em dividir o montante dos passivos de curto prazo pelo total do capital de terceiros e, em seguida, multiplicar por 100. Por exemplo, se uma empresa apresenta passivos de curto prazo no valor de R$ 5 mil e de longo prazo somando R$ 24 mil, teremos:

CE = 5 / 24 x 100 0 = 20,83%

Índice Geral de Endividamento

O Índice Geral de Endividamento é usado para mostrar um panorama mais amplo. Nele, todos os passivos da empresa entram na conta, não importa se de curto, médio ou longo prazo. Para calculá-lo, a fórmula a ser usada consiste em somar o capital que pertença a terceiros multiplicar o resultado por 100 e dividir pelos ativos da empresa,

Para encontrar os ativos, você precisará tomar os ativos totais, ou seja, todo o seu patrimônio e subtrair os passivos de curto e de longo prazo. Sendo assim, para uma empresa que registre ativos de R$ 50 mil, passivos de curto prazo de R$ 18 mil e de longo prazo de R$ 25 mil, a conta fica da seguinte forma:

IGE = 18.000 + 25.000 x 100  / 50.000

IGE = 18,05%

Como avaliar esse índice

Tendo os números à sua frente, fica a questão sobre o que fazer com eles, certo? No caso do cálculo do CE, o percentual revela que, das dívidas a serem pagas, cerca de 20% são de curto prazo, enquanto o restante deve ser pago no longo prazo.

Já na nossa conta para o IGE, o resultado de 18,05% mostra que o risco de inadimplência é baixo, considerando que qualquer resultado acima de 30% seja preocupante. O Índice de Cobertura de Juros segue a mesma lógica, ou seja, quanto mais baixo for o resultado melhores as perspectivas para o futuro.

Quais as principais causas de endividamento a serem evitadas

Sabemos calcular o quanto a empresa pode se complicar se vier a se endividar ainda mais. Mas será que é o suficiente?

Na verdade, o controle da capacidade de endividamento depende também de encontrar o foco das dívidas. Os números são frios, por isso, é fundamental identificar onde seu negócio está errando ao gerir seu orçamento.

Nesse aspecto, podemos destacar a falta de planejamento financeiro e a redução das receitas como possíveis causas diretas para o descontrole nas dívidas. Falta de investimentos em marketing e em processos seguros de vendas também podem comprometer os negócios. Afinal, são falhas que aumentam a dependência de capital de terceiros ou de aportes externos. Na dúvida converse com o seu contador para extrair bons insights.

Neste artigo, conhecemos com mais detalhes como calcular o índice de endividamento e de que maneira aplicá-lo de forma prática em seu dia a dia. Esperamos que o conteúdo seja útil para que você tome decisões ainda mais acertadas.

Continue se informando, veja agora 7 indicadores do negócio que deve ser acompanhados!

 

fale com um especialista syhus

Comentários